domingo, 1 de maio de 2011

Elegia desconhecida


Madrugada muita fria ... que bom dela ser assim ,
Exalta as tristezas
Enroladas em vestes de frio, o arrepio ...

É a bela mulher lânguida ... que bom dela ser assim ,
Ressalta as naturezas
Maltratadas de "nortes" desnorteados , o assovio da tortura ...

Às suas costas as mãos podem ser como vento frio cadenciado ,
Não fere mas provoca .
Às suas costas as mãos podem ser acalento , um rio de movimento demorado ,
Não confere se prender , somente passa e invoca .

Invoca de forma invisível ,
Já nem se sabe se por sono ,
Ou se por sonho .
Convoca de forma incrível ,
Já nem se sabe se por sonho ,
Ou se por loucura .

Mistura-se uma neblina embaçada ,
Que deixa duas imagens quase que como uma só .
Corpo da mulher , noite , solidão ...
Insinua-se a noite como menina alada ,
Que as asas libertam sedução ... morada .

Não sei se é  a noite , a mulher ou o frio .
Sei que todos vivem .

(Eber Vasconcelos)

Nenhum comentário:

Seguir por Email

Pesquisar este blog

Gostou? Leia mais ...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...