domingo, 28 de novembro de 2010

Sentidos


Atração,flerte.
Percebe-se a beleza,
Desejos...
(Percepção).


Desejos... 
Inspiram imaginação:lábios tocando-se,
Verdade que se busca ter.
(Toques ... )


Voz, idealizações de corpos sussurrando amores.
Ouvir o que se quer,dizer o que se quer.
(Ser amores).


Cheiro,perfume dos frascos delicados das mulheres.
(Sentir mulheres).


Pensar... (idealização).
(Eber Vasconcelos)

Amor e paixão , segundo Thiago Brum

Qual a diferença entre a paixão e o amor?
Fácil. A paixão é algo que dá e passa. É a vontade enlouquecida de dois corpos se unirem numa sinfonia perfeita, quase que transformando-se em apenas um.
A paixão é humana, é carnal, e, assim como o homem, uma hora ela morre.
No amor existe esse desejo enlouquecedor também, mas não é o mais importante. O que importa é a simples companhia, a amizade sincera, o respeito. O amor é divino, e é, ao contrário do que dizem, o sentimento mais fácil de explicar.

O amor...
é chama que nunca se apaga...
é fonte que nunca seca...
é o perfume mais doce e menos enjoativo...
é o filme mais emocionante...
é a música perfeita aos ouvidos...
é uma doença sem cura e mortal...
e só quem ama sabe explicar...

Sabe como eu sei disso?

é que a chama eterna sempre ilumina sua face...
e dessa fonte eu sempre quero beber...
sempre que fecho meus olhos sinto seu cheiro...
e em minha cabeça passa o filme da nossa história...
quando vou dormir escuto sua voz cantando suavemente...
e eu não consigo me curar disso e...neste momento...eu morreria por você

Como disse, fácil de explicar...o difícil é entender o porque que eu amo você!

sábado, 20 de novembro de 2010

Inocência,pecado e perigo

Sobre as nuvens a vi se instalar,
O paraíso...
Lá onde dificilmente alguém chega ou chegará.
O milagre da paixão me fez despertar.

Suas asas escondem seu corpo, perfeição.
Ele é fruto de qualquer tentação.
Delicado e envolvente traz a qualquer
Inocente a vontade de pecar.

Esse olhar doce mostra os seus desejos
Os quais almejo em mim estar.
Você pode se prender,
e ao mesmo tempo se libertar.

Expressões faciais e corporais lindas
Causam impressões de mais desejo.
As formas confundem-se a luxúria.
Em meus pensamentos?São as sensações mais provocantes.

Ela nua: inocência, pecado e perigo.
(Eber Vasconcelos)

sábado, 13 de novembro de 2010

Solidão e precipício


À beira do precipício de repente bate uma brisa,o chão atrai.
Tudo circulando à mente,todos os seus sorrisos e todos... que não voltam,não voltam!
A besteira do início de repente vira a justificação pro final,o chão atrai.
Tudo circulando à mente,todos os choros e todos... que não vão,não vão!

Deseja-se tanto ser apaixonado quanto antes,início.
Deseja-se tanto conhecer alguém e se interessar por alguém,início.
Saber que a paixão não é o que antes parecia,fim.
Saber que quanto mais se conhece menos se tem de alguém,além de sua indiferença,fim.

Tantas paixões se pode ter quando se é jovem e vivo...
Grandes decepções matam a esperança.
Ver o irreal,ser real,e tentar ter o irreal simplesmente cansa.
Continue vivo...

Viva e ame a solidão.
E nas vezes que ela te incomodar,
Caminhe pelas ruas abraçado à ela,
Respire fundo...
Sorria,a solidão é a mulher dos idealistas.

A perfeição que procuras,é a solidão.
Ela está com você,seja em dias tristes,seja em dias alegres.
É tão bom gostar da solidão...
E saber que ela é a única que te pede abrigo do frio.
Ame a solidão,esse é o princípio...
Quando amares,estarás apto a voar do precipício.

(Eber Vasconcelos)

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Céu Azul



Existem linhas sutis que aproximam as pessoas.
Você passou por minha vida,
Trouxe nova visão ao meu horizonte.

O jeito carinhoso com que trata a todos que te amam,sim,menina,é cativante.
Amam,pois resplandece luz com sua simpatia.
Sempre seu abraço é a melhor da alegria.

Sensível,parece com a arte poética de amar.
Acho em você a sensibilidade.
E sensibilidade é o livre amar.

Não se importe,ao caso de eu parecer distante.
Sou poeta,seu amigo,nunca encontrei liberdade semelhante.

Você é o inverso de toda poesia triste,
Parece um amanhecer de verão.
O sol aquece as flores belas desabrochando cores e beleza ao chão,
Traz alma essa imagem...
É o seu retrato num dia de céu azul,sua paisagem refletida no amor da natureza.

(Eber Vasconcelos) dedicatório: Clara          

Estrangeiros dos mesmos olhares

Nossos olhares nunca mais se entenderam
Como nos tempos que antes
De qualquer fala haviam sorrisos apaixonantes.

Hoje sou decepcionado como ontem.
Ontem era tudo beleza,paixão que no entanto eram inalcançáveis.
Hoje o que é alcançável nada tem a ver com paixão,
A beleza parece-me um gosto ultrapassado.

O que é isso então?
Que incômodo habita entre nossos olhos?
Nem sei quem és atualmente
Ou nem sei quem sou.

Acho que somos dois desconhecidos nos reencontrando.
(Eber Vasconcelos)

Homens,macacos e um anjo

A tarde era um calor estranho,daqueles que lhe deixa tonto.O suor nos rostos,uns avermelhados outros nem tanto,mas todos eles,os rostos,contemplando um espetáculo:"Homens,macacos e um anjo".O "espetáculo" era só uma forma tola de se definir essa obra teatral pobre.
Comecemos assim: Cenário empoeirado,velho,onde vários outros "espetáculos" aconteceram,vamos chamar isso de "mundo".Tanto as peças teatrais mais bem humoradas,passando pelas drásticas,clássicas,e tantas outras se passaram nesse mesmo lugar.E nenhuma delas fez brilhar esse teatro chamado "A arte".
Iluminação é daquelas que traz dores de cabeça intermináveis.Todos ficavam lacrimosos não importando qual fosse o gênero,se terror,se romance ou comédia.A luz ao excesso incomoda,ninguém diz aos responsáveis pela iluminação que "A arte" precisa ter sua luz devidamente regulada para que os espectadores vejam e reconheçam o que vêem?
Os personagens eram: um autor vagabundo,uma anarquista revoltada,um religioso de "folga",um poeta,um diretor desorientado e uma prostituta.
Falemos pouco sobre essa peça...
Os homens viviam em jaulas de ouro que de tão puro achava-se que era "divino".Eles eram: o religioso,que prometia o céu; a prostituta,que prometia o inferno; e anarquista,que prometia liberdade de céu e inferno.Todos enjaulados pelo divino.Todos presos à suas ideias,todos presos aos seus "paraísos".
Os macacos eram "interpretados" por um autor vagabundo,escrevia peças fazendo recortes de notícias de jornal e um diretor desorientado que atropelava começo,meio e fim nas cenas.Eram macacos...animais em plena liberdade,pois ao contrário dos homens não sabiam o que era céu ou inferno.No caso do autor,ele recortava a realidade,como conhecê-la por inteiro? O diretor desorientado nunca soube o que era ordem,por que ele iria querer liberdade?
O anjo era um poeta tão distante que chegava a ser solitário.Ele era um pouco,ou muito,de todos esses personagens anteriores.As influências deles tendiam ora para o animal instintivo,ora para o homem racional.Mas ele não vivia no "mundo",vivia no paraíso.
Nem começo,nem meio,nem fim.A peça foi uma confusão.O mundo era dos macacos,a jaula dos homens e o paraíso do poeta.O inferno era quando as luzes se apagavam,todos espectadores pensavam: -Amanhã tudo outra vez.(Eber Vasconcelos)

Seguir por Email

Pesquisar este blog

Gostou? Leia mais ...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...